jthenr-comics-vault:

Tim Drake & Batman from
Batman #442 (December 1989)
"A Lonely Place Of Dying: Pat 5"
Art by Jim Aparo (Pencils), Mike DeCarlo (Inks) 
Story by Marv Wolfman & Jim Starlin

everyone needs a Robin.

(via all-batman)

Photo 25.December | 1708 (Source) | Reblog this!

joezacinto:

he’s perfect. 

totally ♥

(via fuckyeahzackvengeance)

Photo 25.December | 44 (Source) | Reblog this!

Photo 25.December | 1 | Reblog this!

Always romantic. ♥

(via avengedbrasil)


Video 21.December | 425 (Source) | Reblog this!

Ian Somerhalder - TVD Convention in Orlando (Dec 15, 2013)

♥__________________♥

(via fuckyeahhjohnnydepp)


Video 21.December | 1566 (Source) | Reblog this!

(via ask-mr-bepo)

Photo 21.December | 41 (Source) | Reblog this!

MEU

(via fuckyeahzackvengeance)


Video 21.December | 308 (Source) | Reblog this!

(via odeiame)

Photo 21.December | 5713 (Source) | Reblog this!

Como diz o título, isso é só um desabafo, pode não fazer sentido, mas… nada realmente faz, né?

Admiro as pessoas que tem coragem pra fazer tudo que tem vontade, que não se submetem a nenhum tipo de situação porque simplesmente é mais fácil de lidar. 
Queria ter essa força, queria não ter esse medo ridículo, queria não achar que eu tenho essa tendência incontestável de estragar tudo que pode um dia ser bom pra mim. Queria não precisar fugir ou afastar tudo e todos porque não consigo confiar em ninguém, não consigo acreditar que alguém possa me corresponder quando eu finalmente deixar essas paredes de proteção caírem.
É tão estranha essa (falta de) sensação. É tão estranho me sentir mais a vontade com papel e caneta, com um editor de texto ou coisa do tipo. Não tenho mais a necessidade de compartilhar o que eu sinto porque eu não tenho me permitido sentir. Às vezes dá essa vontade de desabafar e eu acabo recorrendo aos meios mais fáceis, onde eu sei que não vou importunar quem não precisa se incomodar com os meus problemas. Mas é tudo tão frágil. Eu posso surtar há qualquer momento e sentir tudo de uma vez. Posso me acostumar a não sentir nada e acabar sozinha. E tudo tem sido resumido basicamente em não saber o que fazer por não saber onde vai dar. (Ok, isso não tá fazendo sentido).

De onde vem minha inspiração? Não sei. De onde vem minha alegria? Não sei. 
Não sei onde tenho que ir, não sei onde quero chegar. Não sei quem eu quero pra segurar minha mão. Não sei e estou cansada de não saber de nada. Estou cansada de ver aqueles filmes onde os casais se amam e os amigos se apoiam e não conseguir associar nenhuma das duas coisas à minha própria vida. Estou cansada. Sei exatamente por quais pessoas eu viveria ou morreria, mas não consigo imaginar se alguém faria o mesmo por mim. Estou cansada de viver por nada. Cansada de me contentar com a superfície, com a risada de momento e a amizade oportuna. Não quero a conveniência, quero a satisfação genuína. Quero minhas noites de sono, quero meus sonhos esquisitos, quero alguém que entenda minhas manias, quero um amigo pra me amparar e uma amiga pra me embebedar junto. Quero tudo que inspira esses poetas e escritores. Ou então, quero não precisar de nada disso. Quero a solução pra esse vazio. Resolver o que me tira o sossego, porque não dá pra viver com essa voz gritando aqui dentro que eu só estou vendo os dias passarem. Quero uma boa história pra contar. Quero ser tão invulnerável quanto preciso ser. Eu quero tanta coisa, mas querer nunca foi o bastante, e ainda assim, é só o que eu posso fazer. Querer. Porque quero coisas que não dependem de mim pra acontecer. E isso é o mais frustrante da história toda. Você passa a vida toda construindo um muro em volta de você porque você não quer que seu sossego seja perturbado por nada do lado de fora, aí você nota que ser independente assim não te ajuda a ficar sossegada, que não dá pra viver assim, sustentando o muro e mantendo o sossego. Você precisa deixar alguém invadir o interior do muro pra achar sua paz, mas quando deixa alguém invadir, corre o risco de essa mesma criatura levar sua paz embora de vez. Qual é o ponto certo? Até onde deixar alguém entrar? Quando mandar embora?

Seria tudo tão mais fácil se a gente simplesmente soubesse o final da história. Soubesse que, como nos contos de fadas, por mais que você se dê mal a história toda, vai acabar tudo bem. Seria tudo tão bom se fosse como todos dizem, que o que é nosso ninguém toma e vai chegar na hora certa. Quem é que sabe? Mas e daí? Se você acreditar ou não, você vai ter que pagar pra ver. Vai ter que esperar pela história toda na expectativa. Pode dar tudo certo. Ou não.


Texto 21.December | 1 | Reblog this!

"The split in 1993 was during the filming of Ed Wood and there were days he would come crying, I felt so bad. I asked him why it happened but all he said was, ‘It wasn’t her fault, it was mine.’ And when he met Kate in January of 94, it wasn’t the same as Winona. I felt weird to be around him like he wasn’t acting like Johnny anymore. It’s almost like Winona took Johnny’s soul, Johnny’s love."

- Tim Burton

:/

(via fuckyeahhjohnnydepp)

Photo 21.December | 287948 (Source) | Reblog this!
Página 1 de 126 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 »